Doenças da Hipófise 

A glândula hipófise está localizada na base do cérebro e produz vários hormônios. Alguns estimulam outras glândulas como a tireoide, a supra-renal e as gônadas. Outros hormônios produzidos pela hipófise agem diretamente no nosso corpo, como o hormônio de crescimento e a prolactina. Além disso, é na região da hipófise que o hipotálamo libera o hormônio chamado antidiurético, responsável pela concentração da urina e retenção da água livre pelos rins.

 

As doenças a seguir são causadas por mau funcionamento ou doenças da hipófise: acromegalia, síndrome de Cushing, prolactinoma, tumores hipofisários não funcionantes, etc.

 

Acromegalia e Gigantismo

É a doença causada pelo excesso de produção do hormônio de crescimento. Na infância ou na puberdade (antes do fechamento das cartilagens de crescimento), sua manifestação é de gigantismo, uma vez que a ação do hormônio nessa faixa etária leva ao crescimento excessivo.

 

Quando ocorre no adulto, que já não tem mais possibilidade de crescimento longitudinal dos ossos, acontece aumento dos tecidos moles e cartilaginosos, causando aumento das mãos e pés. Neste caso, dá-se o nome de acromegalia.

 

Outros sintomas como cefaleia, dores articulares, formigamentos, síndrome do túnel do carpo, espaçamento entre os dentes, lábios grossos e alargamento do nariz, são causados pela acromegalia, que pode resultar ainda em: diabetes, hipertensão, insuficiência cardíaca, aumento da tireoide e próstata, entre outras complicações.

 

Como é uma doença de início e progressão lenta, é comum que, quando diagnosticada, o paciente já apresente os sintomas há mais de 10 anos, sem que tenha sido feita a suspeita da doença. A acromegalia ou gigantismo ocorre em mais de 90% das vezes por causa de um tumor hipofisário benigno que produz o hormônio de crescimento em excesso.

 

Doença de Cushing

A síndrome de Cushing causa sintomas e complicações sérias como obesidade centrípeta, isto é, ocorre na face e no abdome, mas não nos membros que, ao contrário, são finos e com atrofia da musculatura, o que causa fraqueza muscular. Aparecem estrias largas e de cor violeta (geralmente no abdome e raiz dos membros) e equimoses (manchas roxas) freqüentes.

 

Pode levar ao diabetes e hipertensão e pode ser causada por uso excessivo de corticoide, por via oral, injetável ou mesmo tópica, como nasal ou pela pele; mas pode ser também decorrência de produção excessiva de cortisol (corticoide produzido nas suprarrenais), seja por tumor das suprarrenais (também chamadas adrenais) ou por tumor produtor de ACTH, que é o hormônio hipofisário que estimula as adrenais.

 

O tumor produtor de ACTH pode estar localizado na própria hipófise e, nestes casos, costuma ser benigno e muito pequeno, recebendo o nome de Doença de Cushing. Pode surgir em outros locais como, por exemplo, no pulmão. Paciente com suspeita de Síndrome de Cushing precisa de vários exames para ter o correto diagnóstico, que orientará o tratamento.

 

Prolactinomas

São os tumores hipofisários mais comuns. Na grande maioria também são benignos e produzem prolactina em excesso. A prolactina é o hormônio responsável pelo aleitamento no momento após o parto. Quando produzido em excesso, fora do período da gestação, pode levar à produção anormal de leite, chamada de galactorreia, tanto em mulheres como em homens. Sua produção excessiva vai prejudicar o correto funcionamento das gônadas, causando irregularidade ou falta de menstruações nas mulheres, impotência nos homens e redução da libido em ambos.

 

Tumores hipofisários não-funcionantes

São tumores que não produzem nenhum hormônio em excesso, mas são diagnosticados por causa de seu crescimento. Podem causar dores de cabeça e alteração visual, já que a hipófise está situada abaixo do quiasma óptico, e afetar o funcionamento normal da hipófise, levando à falta de seus hormônios. Dependendo de qual hormônio afetado, pode levar à redução dos hormônios da tireoide, causando: falta de menstruação, impotência sexual, cansaço físico, emagrecimento, perda do apetite e da disposição, etc.

 

A falta dos hormônios hipofisários recebe o nome de hipopituitarismo e pode acontecer em qualquer doença que afete a região da hipófise, também chamada de pituitária.

Fonte: https://www.endocrino.org.br/tirando-duvidas-sobre-neuroendocrinologia-parte-1/